Por Redação em 19/03/2020

  • O que está em jogo: a escolha de uma matriz 100% renovável geralmente é uma decisão técnica e política. Do lado técnico, se há disponibilidade de fontes renováveis e os custos não são proibitivos, a migração é viável. E política porque deve haver uma decisão de governo nessa direção por meio de incentivos e subsídios.

A energia produzida na Escócia deve ser 100% renovável até o final deste ano, de acordo com informações divulgadas no portal Olhar Digital. De acordo com relatório da organização ambiental Scottish Renewables, em 2018 a utilização de energia renovável na eletricidade foi de 76%

A Escócia escolheu ter papel de protagonista na transição energética. A ideia é acelerar o processo para sediar os debates internacionais da ONU sobre o clima, que devem ocorrer no mês de novembro.

A tendência de se chegar a um consumo de eletricidade 100% renovável é consequência de ações traçadas anteriores a 2016, quando a última usina de carvão foi fechada. O país também conseguiu diminuir significativamente os combustíveis fósseis da sua matriz energética. Atualmente, há apenas uma termelétrica a gás em funcionamento, em Aberdeenshire, embora haja construção prevista de mais duas.

Energia renovável já abastece todas as residências da Escócia

Uma das soluções encontradas pela Escócia foi a energia eólica. Na primeira metade do ano passado, as turbinas eólicas forneceram energia suficiente para abastecer todas as residências do país, além de milhões de casas no norte da Inglaterra, de acordo com o WWF escocês.

O parque eólico de Beatrice, a maior fonte de energia da Escócia, é capaz de gerar energia suficiente para 450 mil residências. O país também se prepara para a construção do parque eólico Seagreen, que deve iniciar suas operações em 2022. Assim que entrar em funcionamento, a expectativa é de que possa gerar energia, sozinho, para abastecer 1 milhão de residências.

Compensações ajudam a neutralizar emissões

Além do uso das renováveis, a Escócia pode neutralizar suas emissões por meio de replantio de árvores e uso da tecnologia de captura de carbono, como forma de compensação. Nesse contexto, ainda há muito trabalho a ser feito até o país obter zero emissões líquidas, especialmente no transporte, sistema de aquecimento e agricultura.